domingo, 20 de abril de 2008

50 ANOS DE BOSSA NOVA

João Gilberto, "desafinou" para desafiar

A Bossa Nova foi e é uma revolução silenciosa, pacífica e delicada. Rompeu com as manifestações artísticas arraigadas e propôs uma nova linguagem de leveza e simplicidade. Essa mensagem foi posteriormente entendida por músicos como Chico Buarque, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Milton Nascimento. A forma de cantar, compor e tocar, tendo como guru o baiano João Gilberto, re-elaborando lições do cool jazz e do samba tradicional e indo mais para trás, na forma de cantar de Bing Crosby, ou de cancioneiros da década de 40, como Orlando Silva, entre outros.
João apareceu cantando numa divisão diferente, a voz flanando livre – a se desequilibrar e equilibrar-se como nunca observado em um cantor de música popular. Essa nova divisão no modo de tocar e cantar, absorvendo elementos jazzísticos ao mesmo tempo em que remetia às criativas divisões dos sambas de compositores tradicionais.
O movimento foi radical e representou um avanço modernizador na nossa cultura musical, passando a influenciar todo mundo Ocidental, inclusive o jazz, que o tinha influenciado. Stan Getz, Frank Sinatra gravaram com João Gilberto e Tom Jobim. Bob Dylan afirmou: ”Algumas pessoas podem gostar de um suave cantor brasileiro. Mas eu já de desisti de fazer qualquer tentativa de atingir a perfeição”.
Chico & Vinícius
Talentos se incorporaram ao movimento, como, Johnny Alf, Carlos Lyra (o segundo maior compositor de bossa nova), Newton Mendonça (compositor- letrista), Vinicius de Moraes (letrista), Sérgio Mendes, Ronaldo Bôscoli (letrista), Roberto Menescal, Baden Powell, João Donato e naturalmente Tom Jobim.
Tom se tornou sinônimo de bossa nova erguendo uma obra com características incomuns no campo da música popular. Seu trabalho se deixou influenciar pela música erudita (Villa-Lobos, Chopin, Gershwin) e reverenciou o passado da canção popular brasileira como Ary Barroso, Custódio Mesquita e Dorival Caymmi e também da música norte-americana pretérita. Pode-se afirmar que se tornou o maior compositor de canções do mundo, na segunda metade do século 20, se considerarmos a linguagem e a linhagem - e sua inclusão nela - dos que, na primeira, elevaram a canção a uma altura considerável, os chamados grandes autores clássicos dessa arte: Cole Porter, os irmãos Gershwin, Rodgers e Hart, Irving Berlin
Seus grandes hits foram e são também grandes ícones mundiais: Garota de Ipanema, Samba de Uma Nota Só, Desafinado, Chega de Saudade, Insensatez, Só Tinha de Ser com Você, Dindi, Samba do Avião, Águas de Março... Com ele - e com João -, principalmente, a música brasileira obteve um sucesso internacional que só obtivera antes com Carmen Miranda, nos anos 1930 e 40.
Vinicius de Moraes, principal letrista do movimento, viria a formar a tríade mais importante na evolução da Bossa Nova justamente com João Gilberto e Tom Jobim. Como resultado a música popular brasileira vivia a contar com compositores que também se destacariam como intelectuais na cultura nacional.

Nara com sua voz angelical divinizou a Bossa
Meio século depois, o movimento que mudou as diretrizes na música popular no Brasil e no mundo continua firme, a desafiar inovações próprias de gerações que se sucedem, a provar que algo foi novo na sua época pode permanecer novo, atual.
Quando estive nos EUA, no começo da década de 70, notei que os americanos só tinham referências sobre o Brasil pela música de João Gilberto e pelo futebol de Pelé.

8 comentários:

Vanda disse...

ulala............ esta detonando com esses dois últimos artigos professor....até que enfim coisas sadias e envolventes.Ah! muito obrigada por ter respondido meus e-mails adorei viu.
Abraços

requeri disse...

o ídolo cantor de joão gilberto era orlando silva. a voz atual de joão gilberto, e eu já dissertei sobre isso uma vez, não é, de verdade, essa voz de pato bem ensaiado ... rs ...
em verdade lhe digo, ele ensaiou muito, pra chegar nela, por incrível que possa parecer.
joão gilberto é dono de um vozeirão equivalente ao de orlando silva. tendo comido o pão que o diabo amassou, por conta da compulsivão pelas drogas, um dia ele pensou: se essa voz não me leva a nada, vou mandar ela pro espaço. ensaiando dioturnamente, no banheiro da casa de sua irmã, onde foi passar um tempo pra tentar recuperar as rédeas de sua vida, encontrou a voz que tem hoje.
como eu já disse, escrevi um tempo atrás sobre isso: uma verdadeira saga artística. vou reescrever. por enquanto é isso.

viu só como música tem história e pode compor a história de um povo?

música é tudo na minha vida e cada minuto dela pode ser demonstrado e reconhecido através de alguma canção.

será que eu consegui catequizar e humanizar a sua teimosia??? acho que sim, pois, até os gershwin (george & ira) vc menciona. lembra quando, uma vez, eu falei sobre a história da rhapsody in blue, e vc disse que eu sabia de coisas que vc nunca tinha ouvido falar??? to adorando isso.
gershwin é a música do nosso tempo. impossível não reconhecê-lo entre as maiores riquezas da arte do planeta de todos os tempos. ele criou a obra, a rhapsody in blue, inicialmente, para 2 pianos, a pedido do maestro paul whiteman e foi comissionado por isso. o maestro pediu uma obra pra orquestra misturada com jazz - gershwin compunha jazz para a broadway. ela foi orquestrada pelo maestro arranjador ferde groffé, ficou famosa e o autor fez uma versão para um único instrumento, piano, a definitiva.
gershwin criou a mistura do seu jazz com a música erudita.
a introdução da rhapsody, com clarinete, é a mais representativa da cultura musical moderna. quando se pensa em obra popular imortal a intrudução da rhapsody é o primeiro som que surge no espaço.
chega!!!!

pô ac, ninguém mandou vc escrever sobre música.

requeri disse...

o ídolo cantor de joão gilberto era orlando silva. a voz atual de joão gilberto, e eu já dissertei sobre isso uma vez, não é, de verdade, essa voz de pato bem ensaiado ... rs ...
em verdade lhe digo, ele ensaiou muito, pra chegar nela, por incrível que possa parecer.
joão gilberto é dono de um vozeirão equivalente ao de orlando silva. tendo comido o pão que o diabo amassou, por conta da compulsivão pelas drogas, um dia ele pensou: se essa voz não me leva a nada, vou mandar ela pro espaço. ensaiando dioturnamente, no banheiro da casa de sua irmã, onde foi passar um tempo pra tentar recuperar as rédeas de sua vida, encontrou a voz que tem hoje.
como eu já disse, escrevi um tempo atrás sobre isso: uma verdadeira saga artística. vou reescrever. por enquanto é isso.

viu só como música tem história e pode compor a história de um povo?

música é tudo na minha vida e cada minuto dela pode ser demonstrado e reconhecido através de alguma canção.

será que eu consegui catequizar e humanizar a sua teimosia??? acho que sim, pois, até os gershwin (george & ira) vc menciona. lembra quando, uma vez, eu falei sobre a história da rhapsody in blue, e vc disse que eu sabia de coisas que vc nunca tinha ouvido falar??? to adorando isso.
gershwin é a música do nosso tempo. impossível não reconhecê-lo entre as maiores riquezas da arte do planeta de todos os tempos. ele criou a obra, a rhapsody in blue, inicialmente, para 2 pianos, a pedido do maestro paul whiteman e foi comissionado por isso. o maestro pediu uma obra pra orquestra misturada com jazz - gershwin compunha jazz para a broadway. ela foi orquestrada pelo maestro arranjador ferde groffé, ficou famosa e o autor fez uma versão para um único instrumento, piano, a definitiva.
gershwin criou a mistura do seu jazz com a música erudita.
a introdução da rhapsody, com clarinete, é a mais representativa da cultura musical moderna. quando se pensa em obra popular imortal a intrudução da rhapsody é o primeiro som que surge no espaço.
chega!!!!

pô ac, ninguém mandou vc escrever sobre música.

requeri disse...

achei!!! em janeiro p.p., postei sobre joão. encontrei e vou repostar. depois acho a do gershwin ... incrível como eu evolui quanto aos conhecimentos de html, size, color, centers etc .... hehe ... arrumei a fisiologia da postagem ... vai lá ver .....

requeri disse...

pronto ac. ocorreram uns desajustes de formatação. alguns desentendimentos entre os templates do blog ... em janeiro era um, agora é outro e isso resultou numa sensível incompatibilidade entre postagens anteriores e a que eu trouxe pra ser colada hj ... desarrumou tudo. foi um parto, até que eu descobrisse o que estava acontecendo e chegasse a uma solução.
agora tá legal.

vai ler. bj. rê.

Anônimo disse...

CRIADOR - BOSSA NOVA
JOão Gilberto...Batida de Violão
1º disco - Canção de Amor de mais, de tom e Vinicius, cantada por Elizeth Cardoso, e o Violonista João Gilberto.
NASCEU A BOSSA NOVA
Reuniões na Casa de Nara Leão, seguindo para o Beco das Garrafas - Copacabana - RJ.
gente esquecida :
Agostinho dos Santos / Alaíde Costa / Aloysio de Oliveira / Baden Powell / Billy Blanco /Os Cariocas/Carlos Lyra / Chico Feitosa / Edu Lobo / Elizeth Cardoso / João Gilberto / Johnny Alf / Leila Pinheiro / Luiz Bonfá / Lula Freire / Maysa / Newton Mendonça / Roberto Menescal / Ronaldo Bôscoli / Sylvia Telles.
De Nara, Tom e Vinicius todos conhecem...
Mas sem dúvida foi a batida do VIOLÃO do JoÂO GILBERTO ... o precursor da Bossa Nova.

Mais tarde veio a TROPICÁLIA...
... etc ..etc ...

requeri disse...

logo bem cedo foram acrescentadas, no início e no final do texto, algumas informações que não constavam até o encerrar das atividades na madrugada.
pensar é livre pensar, mas eu exagero. fala sério?!?!?! não consigo deitar e, logo, dormir.
o texto, quase decorado, ficou martelando na minha cabeça. faltava alguma coisa. ao acordar já sabia o que era. o resultado está lá. então, volta e lê.

requeri disse...

ac, acho que vc tem razão ... eu sou foda!!! rsrs .... bj. vou trabalhar sossegada pq, depois de tanto esmêro, a audiência do reblogg, até que tá satisfatória ... rs ...